Pra comemorar

Meu aniversário tá chegando (é sábado!!) e, como todos os anos, é sempre uma dificuldade pra descobrir como vai ser a comemoração. Com isso, fiquei super a fim de mandar fazer uns cupcakes pros queridos se deliciarem, mas com esse feriado enorme acabou enrolando tudo! De qualquer forma, não posso deixar de dividir com vocês os achados que eu fiz. Fotos pra gente se inspirar e comemorar comendo essa maravilha!

Só clicar nas imagens que elas ficam bem maiores! 😉

Anúncios

Delírio dos mortais

As it bags são sonho de consumo de toda mulher que tem alguma informação de moda – e até das que não têm! Esse Becky Bloom feelings já existe há décadas e se intensifica a cada dia pelo seu marketing bem aplicado e pelo fato das pessoas mais estilosas e influentes usarem.

Ao pensar em comprar adquirir uma, é preciso analisar algumas fatores. Claro, todas nós já cometemos o impulso de comprar aquela bolsa tendencinha, da cor bafo do verão que vai combinar com tudo que a estação pede. Mas não podemos esquecer que por mais que todas essas novidades encham os nossos olhos, as tendências mudam! Gastar uma fortuna com aquela bolsa do momento, nem sempre pode ser o melhor investimento. Ou seja, preste muita atenção quanto ao design, cor, espaçamento e ao preço – pesquise nos brechós, procure marcas nacionais e nunca compre uma falsificada, pois é crime e o barato sempre sai caro!

 

Elegemos um top 5 das it bags mais desejadas:

1) Hermès Birkin

Seu nome é em homenagem à atriz Jane Birkin que sempre desfilava com sua Hermès pra lá e pra cá. Um modelinho desses não sai por menos de U$S6.000!

2) Chanel 2.55/Classic Flap

Criada em 1955, por isso 2.55, a Classic Flap nasceu após Coco Chanel decidir livrar as bolsas das mãos das mulheres e colocá-las nos ombros.

3) Marc Jacobs Stam

A Stam é confeccionada em matelassê e com uma corrente ponderosa! Muitas hollywoodianas (e globais também) desfilam com as suas que não custam menos que U$S1.300.

4) Louis Vuitton Speedy

A Speedy é a prova que o clássico pode ganhar um ar contemporâneo sem ficar over. Já foi editada várias vezes ganhando cores, desenhos. Para todos os gostos.

5) Balenciaga Motorcycle

Feita em couro de cabra, sua aparência é bem molinha, como se fosse um saco mesmo. Mary Kate Olsen já desfilou pelas ruas de NY com ela várias vezes!

Dica final: integre a bolsa ao seu estilo e seja feliz com a sua escolha.

Os bichinhos da Vuitton

A coleção Animania, que está sendo lançada pela famosa marca francesa, Louis Vuitton é composta por bolsas e acessórios, contempla desde niqueleiras, passando por clutches até lenços e chaveiros.

Feitas com retalhos das bolsas mais tradicionais da marca, as peças trazem desenhos de coelho, esquilo e passarinhos. No caso das clutches, a própria bolsa é em formato de animais: uma galinha ou um passarinho.

A coleção é feita em couro, lona ou pele de cobra karung. Os preços variam entre US$ 220 e US$ 500.

Oi, mundo!!

Oi, meninas! Esse é o primeiro post do blog e pra começar bem vou contar um pouco da marca tão cobiçada pelas mulheres (e por homens também, porque não?). 🙂

Espero que curtam o blog… Por enquanto são apenas ideias soltas, mas com o tempo tudo se acerta!


lv - logo

Madeira, zinco, cobre e lonas impermeáveis. Assim, juntamente com muito apuro artesanal, começou a Louis Vuitton, em 1854, na França. Mas o que leva mulheres de todo mundo a ficar horas em uma fila para comprar uma bolsa cujo preço passa, facilmente, dos três dígitos? Patrick Vuitton, da quinta geração da família, explica que o segredo da marca é a presença de qualidade e exclusividade.

O jovem cofreiro, nascido na Suíça e criado em Paris, começou seu império produzindo malas e baús para o imperador francês Napoleão III e mesmo ao abrir a Maison Louis Vuitton, que leva seu nome, produzia artigos feitos sob encomenda. Desde o século XIX, seus produtos inspiram imitadores. A fim de acabar com as cópias, os baús foram os primeiros a levar a “Marque L. Vuitton” do lado de fora. Foi em vão. Afinal, até hoje a LV ostenta o título de campeã de falsificações.

lv - monogram

Até meados de 1980, a Vuitton vendia apenas bolsas clássicas para um público restrito, porém fiel. Decidido a mudar esse quadro, o magnata francês Bernard Arnault comprou a grife e ergueu a LVMH (Louis Vuitton Moët Hennessy), maior conglomerado de artigos de luxo do planeta que  conta com marcas como Fendi, Moët et Chandon, Dior, entre outras. Para se ter idéia do poder da LV, cerca de 70% do faturamento do grupo provém de seus produtos.

Após a criação da LVMH, um pensamento tomou conta da Vuitton: em um mundo globalizado, havia um grande número de pessoas ansiosas para consumir luxo de qualidade. Cultuada por essa qualidade, a LV começou a se preocupar em lançar tendências convocando estilistas de renome como Vivienne Westwood, a rainha do punk, e Manolo Blahnik para reinventar seus acessórios. Não foi suficiente.

lv - marc jacobs

Arnault resolveu, em 1997, inserir na equipe de criação um estilista americano que estava fazendo muito sucesso por sua personalidade para criar a primeira coleção de roupas da marca. Logo nessa coleção, Marc Jacobs mostrou a que veio, transformando as bolsas da Louis Vuitton em coqueluche. Disposto a inovar, convidou pessoas do mundo da arte para introduzir um ar contemporâneo nos produtos, utilizando patchwork, grafite, mangás e as cores fluorescentes do diretor teatral Bob Wilson. Sob o comando de Jacobs, a marca cresceu 80%, conservando intacta sua tradição de mais 150 anos. Assim, os artigos da Louis Vuitton são objetos de desejo que despertam inveja e transbordam glamour. Confeccionados em números limitados e com preços “sob consulta”, muitas sonham ter, nem todas conseguem.